Painéis solares fotovoltaicos! Solução ou mais mentiras?

A grande mídia vende a energia solar e a eólica como uma solução ambientalmente correta e os verdinhos (ambientalistas), clamam por ter essa tal energia limpa como solução para o aquecimento BOBAL.

Pesquisando sobre os painéis solares e sobre sua produção e geração, fiquei altamente surpreso com o resultado, que eu já esperava ruim, pois a eficiência dos painéis solares atuais está no máximo 25% (os comerciais), tirando a NASA que possuí um de 46%.

Primeiro vamos a sua produção:

Os painéis solares mais eficientes de hoje em dia, são feitos de semicondutores, onde suas células fotovoltaicas são feitas de SiC (Carbonato de Silício), que é obtido pela redução do SiO2 (quartzo – dióxido de silício). Abaixo temos a redução antes do processo de formação do carbonato de silício.

SiO2 + 2 C ==> Si + 2 CO2 (Sim! “A energia limpa” gera duas moléculas de CO2, para cara silício gerado), mas para que essa reação seja possível, é necessário o uso de altas calor de altas temperaturas como catalizador, algo em torno de 1800 ºC a 1900 ºC, ou seja, são processos siderúrgicos e são utilizados autofornos que para atingirem essa temperatura utilizam coque e carvão em grande quantidade, que possuem cadeias carbônicas de 86 a até mais de duzentos carbonos por molécula! Eles se preocupam com a gasolina, que possuí em média 8 carbonos em sua composição por molécula.

Não bastasse isso, qual seria a quantidade em área para suprir a demanda mundial por energia?

Previsão de demanda mundial de energia em 2020: 25,8 trilhões de kWh.
Produção do painel mais eficiente atualmente: 1,138 kWh a cada 7 m².

Por uma simples regra de três, chegamos ao número de área 157,7 milhões de km² para suprir a demanda mundial, como a Terra possuí uma superfície estimada de 510,1 milhões de km², para suprir a demanda mundia, 31,11% do planeta seria de painéis solares, sendo que os continentes ocupam uma área de aproximadamente 153 milhões de km², ou seja, plaquinhas solares nos oceanos!

Essas contas só são válidas, tomando a eficiência nominal das placas como 100% (os fabricantes garante até 80%), Sol a pico, ou seja, Sol de meio dia em 100% do globo, a uma temperatura de 25 ºC e baixa umidade. Fui bonzinho com eles!

Será que essa é uma solução ambientalmente correta, socialmente correta e economicamente viável?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *