É justo um trans disputar uma competição feminina? Parte 2.

Caros leitores,

Recentemente fiz uma postagem falando sobre a vantagem competitiva de um trans disputar uma competição feminina e algumas pessoas me criticaram, mas a ciência, nesse caso a Biologia é soberana e as vantagens fisiológicas são mais do que evidentes.

Podem ver a publicação inicial clicando aqui.

Alguns questionaram sobre a validade da ciência a qual foi descrita na publicação anterior, mas saiu uma publicação com dados sobre a superliga feminina de Volley, dados esses que estão provando o que foi descrito na publicação anterior.

 

 

 

 

Primeira transexual a jogar a Superliga na história, Tiffany trouxe retorno rápido ao Bauru, time que decidiu apostar em sua contratação. Na derrota para o Fluminense por 3 a 2 nesta sexta-feira, ela bateu seu recorde e marcou 30 pontos. Em apenas três partidas, ela já soma 70.

A equipe do Bauru, que deu a chance para o atleta trans, teve um ganho de produtividade e o atleta trans passou a ter a maior média de pontos da competição.

Os números a transformam já na maior pontuadora em média da competição. Ela tem 5 pontos por set na Superliga, superando os 4,88 de Tandara, de Osasco, que até então era a líder no fundamento.

Após o investimento da equipe do Bauru em Tiffany, o atleta trans, a equipe passou a sonhar com com a classificação para os playoffs da competição e além disso, vislumbram melhores posições na tabela com a qual daria vantagens a equipe.

Na tabela abaixo, mostra o desempenho das principais pontuadoras em média por set.

Abaixo, mostra a pontuação no jogo contra o time do Fluminense.

Agora, como pode um atleta mediano na competição masculina, ser tão superior na competição feminina? Lembrando que fazer 9 pontos a mais, é quase a metade de um set!

Simples, não é o talento que fez Tifanny ser superior e sim suas vantagens fisiológicas, seu costume de treinamentos mais intensos, as vantagens hormonais dentre outras descritas na primeira publicação.

Como podem ver, caros leitores, não é homofobia e sim ciência e os dados, até o momento estão mostrando que a vantagem competitiva é evidente.

Torna-se evidente a superioridade física!

Primeira transexual a jogar na Superliga de vôlei feminino, Tiffany foi a principal destaque da vitória de Bauru sobre o Pinheiros por 3 sets a 1 com parciais de 25/18, 25/22, 24/26 e 25/16

Os números impressionam!

O desempenho de Tiffani foi impressionante. Dos 25 pontos marcados por ela, 24 foram de ataque e apenas um de bloqueio. Para se ter uma ideia, a jogadora de Bauru que fez mais pontos na partida depois dela foram Paula Pequeno e Yona Palacio, que somaram nove acertos, quase um terço da companheira. Na equipe do Pinheiros, Bruna Honório e Mari marcaram 11 pontos cada uma.

Coincidência? Dos 25 pontos, 24 são de ataque!

Quem conhece um pouco de Volley, irá questionar a qualidade da Paula Pequeno? Jogadora de nível de seleção brasileira e que marcou 9 pontos, quase um terço!

E o que dizer da Mari, outra jogadora de nível de seleção brasileira e que marcou 11 pontos? Um pouco menos que a metade dos pontos da Tifanny.

No primeiro set, Tiffany mostrou sua força ao marcar oito pontos na vitória de 25 a 18 de Bauru. No segundo, ela fez seis e o time fez 2 a 0 ao fechar a segunda parcial em 25 a 22. No terceiro, a jogadora não foi bem, marcou um único ponto e o Pinheiros conseguiu reagir e fechar em 26 a 24. Mas, no quarto set, Tiffany voltou a desequilibrar. Com dez pontos da transexual, o time do interior venceu por 25 a 16.

Precisa de mais? Como podem ver, caros leitores, não é homofobia, transfobia ou qualquer outra idiotice que inventam, e sim ciência, fisiologia!

Como sempre, sairei em defesa das mulheres que em meu ver estão sendo prejudicadas com a autorização de um trans disputar uma competição feminina, tendo se desenvolvido plenamente como atleta na modalidade masculina.

Então, volto a perguntar:

É justo um trans disputar uma competição feminina?

É justo com as mulheres praticante do mesmo esporte?

Na minha humilde opinião, não é nada justo.

Abaixo os links originais com os dados.

http://afftvvolei.com.br/volei-feminino/em-apenas-tres-jogos-por-bauru-tiffany-supera-tandara/

http://afftvvolei.com.br/volei-feminino/tiffany-leva-bauru-a-vitoria-sobre-o-pinheiros/

Links de outros posts sobre o assunto:

https://thiagomaiablog.wordpress.com/2017/12/21/e-justo-um-trans-disputar-uma-competicao-feminina/

https://thiagomaiablog.wordpress.com/2017/12/27/e-justo-um-trans-disputar-uma-competicao-feminina-parte-3/

https://thiagomaiablog.wordpress.com/2018/02/20/cotas-para-atletas-trans-como-assim/

0 Replies to “É justo um trans disputar uma competição feminina? Parte 2.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *