Crescimento, rendimento e qualidade do milho com elevação do dióxido de carbono atmosférico e temperaturas no norte e oeste da Índia.

Caros leitores,

A grande mídia sempre espalha fake news sobre o CO2 ser o gás do fim do mundo, e causador de uma suposta elevação de temperaturas no período pré industrial.

Existem várias pesquisas que dizem que o CO2 não tem qualquer relação com as temperaturas, mas esses dados não são divulgados, por causa de interesses escusos que não serão tratados nesse post.

Sobre os dados não divulgados, vejam os dados do gráfico abaixo.

40343023_1839750696116861_2910974935960649728_n

O gráfico representa os dados relacionados a concentração de CO2 na atmosfera nos últimos 420 milhões de anos, mas a questão é a seguinte:

Quanto a humanidade emitia a 420 milhões de anos atrás?

Mas o que eles mostram para vocês é o seguinte:

co2_data_mlo

Percebem a diferença? Na escala reduzida, o IPCC faz o seu alarmismo e com isso espalham o pânico.

Pois é, quando a questão é vista por uma ótica pouco míope, a coisa muda de figura.

Agora, em questão as temperaturas?

Vamos ver o seguinte gráfico:

15 mil anos de temperatura

Quando passamos para uma ótica mais abrangente na escala temporal, percebemos que o mesmo acontece com as temperaturas, pois retrocedendo apenas 15 mil anos, vemos que já tivemos períodos muitos mais quentes, mas mais uma vez não é divulgado.

Bom, o estudo a seguir, mostra que o que se faz com um pequeno incremento de CO2 na atmosfera e um leve aumento de temperatura pode fazer com uma produção vegetal.

“Um experimento foi conduzido com o cultivo de milho (Zea mays L.) em câmaras de topo aberto (OTCs) para determinar os efeitos do dióxido de carbono atmosférico (CO2) e da temperatura no crescimento, rendimento, atributos de produção e qualidade do grão de milho. O milho (var. PEHM 5) foi cultivado com dois níveis de dióxido de carbono, isto é, ambiente (400 ppm) e elevado (550 ± 20 ppm) e três níveis de temperatura, ou seja, ambiente, ambiente +1,5 ° C e ambiente +3,0 ° C durante as temporadas de kharif (julho a outubro) de 2013 e 2014 em Nova Deli, Índia. O CO2 elevado aumentou a produtividade de grãos em 53,7% e o índice de colheita (HI) em 2,9% em relação ao CO2 ambiente. O rendimento de Stover e os atributos de rendimento, tais como comprimento da espiga, diâmetro da espiga, peso de grãos cob − 1, número de grãos cob − 1 e peso de 100 grãos também aumentaram com o CO2 elevado. No entanto, o CO2 elevado diminuiu as concentrações de N no grão em 11,0% e o teor de P em 19,0%, mas aumentou o teor de K em 5,0% em relação ao CO2 ambiente. A temperatura elevada em 1,5 ° C e 3,0 ° C diminuiu o rendimento de grãos em 4,9% e o rendimento de ovos em 37,0%, mas aumentou o HI em 6,0% em relação à temperatura ambiente. Níveis elevados de temperatura afetaram positivamente as concentrações de N, P e K nos grãos. Elevação simultânea de CO2 e temperatura aumentou o índice de área foliar, número de grãos na linha 1, rendimento de grãos e índice de colheita, mas diminuiu dias para 50% de abatimento, comprimento da espiga, diâmetro da espiga, peso de grãos cob − 1 e teor de proteína bruta nos grãos. O peso do teste, a produção de stover e a biomassa total aumentaram em CO2 elevado com temperatura ambiente de +1,5 ° C, mas diminuíram em CO2 elevado com temperatura ambiente de +3,0 ° C. Os resultados indicaram que o CO2 elevado teve efeitos positivos, enquanto a temperatura elevada teve efeitos negativos no crescimento e rendimento do milho. Com a elevação tanto do CO2 quanto da temperatura, o CO2 elevado reduziu os efeitos negativos da temperatura elevada no rendimento e nos componentes de produção do milho.”

Abaixo, segue o link completo do estudo

https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0167880915301493

Espero que gostem!

Forte abraço!

 

Curta, compartilhe, deixe sua pergunta e comentário!

0 Replies to “Crescimento, rendimento e qualidade do milho com elevação do dióxido de carbono atmosférico e temperaturas no norte e oeste da Índia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *