Turbinas eólicas fazem explodir pulmões de morcegos!

Caros leitores,

Não faz muito tempo, eu fiz uma postagem alertando dos perigos que essa ineficiente fonte de geração de energia, representa para as aves e morcegos.

Assim, agora um novo estudo mostra pela primeira vez a possível causa da imensa quantidade de mortes de morcegos por ano, 880.000 só nos EUA, causadas pelas torres eólicas, nas chamadas “windfarms” e comprovam que não são uma barganha tão ambiental assim, a não ser que os “verdinhos” não estarem muito preocupados com as aves e os morcegos.

Esse estudo mostrou de forma impressionante, a forma que os animais são mortos e ainda sem a menor chance de defesa.

“Cuidado: explodir os pulmões” não é um sinal que se esperaria ver em um parque eólico. Mas um novo estudo sugere que esta é a principal razão pela qual morcegos morrem em grande número em torno de turbinas eólicas.

O risco que as turbinas eólicas representam para as aves é bem conhecido e tem perseguido debates sobre energia eólica. De fato, vários estudos sugeriram que o risco para os morcegos é maior. Em maio de 2007, o Conselho Nacional de Pesquisa dos EUA publicou os resultados de uma pesquisa de parques eólicos dos EUA mostrando que duas espécies de morcegos foram responsáveis ​​por 60% dos animais alados mortos. As aves migratórias, entretanto, parecem afastar-se das turbinas.

Por que morcegos – que colocam objetos em movimento – são mortos por turbinas, permanece um mistério até agora. O conselho de pesquisa achou que o ruído de alta frequência das engrenagens e das pás das turbinas poderia estar prejudicando os sistemas de localização dos morcegos.

De fato, um novo estudo mostra que as lâminas móveis causam uma queda na pressão que faz com que os delicados pulmões dos morcegos subitamente se expandam, estourando os vasos sanguíneos do tecido. Isso é conhecido como barotrauma e é bem conhecido pelos mergulhadores.

“Ao procurar por carcaças de morcegos sob turbinas eólicas, notamos que muitas das carcaças não tinham ferimentos externos ou nenhuma causa visível de morte”, diz Erin Baerwald, da Universidade de Calgary, no Canadá.

Lesões internas:

Baerwald e seus colegas coletaram 188 morcegos mortos de parques eólicos no sul de Alberta e determinaram sua causa de morte. Eles descobriram que 90% dos morcegos tinham sinais de hemorragia interna, mas apenas metade mostrou sinais de contato direto com as pás do moinho de vento. Apenas 8% apresentavam sinais de lesões externas, mas sem lesões internas.

O movimento das pás da turbina eólica cria um vórtice de pressão de ar mais baixo ao redor das pontas da lâmina, semelhante ao vórtice na ponta das asas do avião. Outros cientistas sugeriram que isso poderia ser letal para os morcegos, mas até agora ninguém havia realizado necropsias para verificar a hipótese.

Baerwald e seus colegas acreditam que as aves não sofrem o mesmo destino que os morcegos – a maioria das aves é morta pelo contato direto com as lâminas – porque seus pulmões são mais rígidos que os dos morcegos e, portanto, mais resistentes a mudanças súbitas de pressão.

Os morcegos comem insetos noturnos, incluindo pragas agrícolas, por isso, se as turbinas eólicas afetassem seus níveis populacionais, isso poderia afetar o restante dos ecossistemas locais. E os efeitos podem até ser internacionais. “As espécies que estão sendo mortas são migrantes”, diz Baerwald. “Se morcegos forem mortos no Canadá, isso pode ter consequências para ecossistemas tão distantes quanto o México.”

Journal reference: Current Biology (vol 18 p R696)

Endangered species – Learn more about the conservation battle in our comprehensive special report.

Energy and Fuels – Learn more about the looming energy crisis in our comprehensive special report.

 

Inscreva-se no canal do YouTube:

YouTube_logo_2015.svg

Curta a página do Facebook:https://www.facebook.com/thiagomaiablog

Instagram e Twitter: @thiagomaia2503

 

Curta, compartilhe, deixe sua pergunta e comentário!

0 Replies to “Turbinas eólicas fazem explodir pulmões de morcegos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *